Você sabe como funciona a anestesia?

Anestesia centro aplicada por médica no ambiente cirúrgico

Hoje, todo paciente que necessita ser submetido a algum procedimento cirúrgico e/ou anestésico tem “medo” da anestesia.

Tipos de paciente

Sempre estamos frente a dois tipos de pacientes: aqueles que querem ser submetidos a algum procedimento estético e aqueles que precisam por causa de saúde. Independente do motivo, todos devem seguir o mesmo protocolo de segurança.

Como funciona a anestesia?

Anestesia consiste na alteração das funções do organismo induzida por medicamentos com suas diferentes propriedades. Ela permite a realização de procedimentos cirúrgicos, invasivos ou diagnósticos, diminuindo ou eliminando a dor e outras respostas indesejadas.

Ela produz:

  • Redução ou perda da consciência (hipnose);
  • Redução ou eliminação dos movimentos (bloqueio muscular): controle das respostas involuntárias do organismo no estresse da cirurgia. Por exemplo: aumento da frequência cardíaca, aumento da pressão arterial e sudorese (bloqueio vegetativo).

O ato anestésico é realizado por médico anestesiologista ou devidamente habilitado na prática de anestesia e sedação. Esse médico permanece junto ao paciente. Durante todo o procedimento, é feita a monitorização da frequência cardíaca, pressão arterial, oxigenação e respiração do paciente ininterruptamente.

Em consequência da indicação do procedimento cirúrgico, todos devem fazer uma avaliação clínica.

“Não entendo. Serei submetido a um procedimento simples e o cirurgião me encaminhou ao clínico/cardiologista.”

Sim. Para qualquer procedimento anestésico/cirúrgico é necessário que o paciente saiba como anda a sua saúde em relação a: coração, função renal, função endócrina e hematológica. As escolhas da técnica anestésica e do tipo de drogas a serem administradas pelos profissionais dependem dessa avaliação.

Atualmente, nos grandes centros hospitalares ou clínicas particulares é comum a existências dos chamados ambulatórios de pré-anestésicos que são ferramentas importantes para a segurança do paciente.

No ambulatório, o profissional, de acordo com a avaliação do seu clínico e dos resultados dos exames, encontrará segurança para indicar a melhor anestesia ou solicitará outros exames.

Qualquer técnica de anestesia tem como indicação o conforto, segurança para o paciente e condições ideais para o cirurgião realizar o procedimento necessário.

Preparação da anestesia

Informações importantes

Você pode e deve saber de antemão qual a técnica anestésica a qual será submetido, cabendo ao profissional explicar as mais seguras no seu caso.

“Posso escolher?” – Pode, desde que a sua condição clínica permita uma ou mais técnicas. Hoje associação de técnicas é muito comum, pensando sempre no conforto pós-operatório para o paciente.

No dia da cirurgia

Quando qualquer técnica anestésica é indicada, é fundamental um jejum de oito horas para alimentos sólidos, leites e sucos com fibras. Ele é obrigatório e essencial para a segurança.

Os alimentos sólidos estimulam o suco gástrico. Caso o estômago esteja cheio na indução anestésica (responsável pela abolição dos reflexos com a tosse), o paciente pode vomitar e aspirar esse suco gástrico. Possibilitando assim a ocorrência de uma pneumonia aspirativa de difícil tratamento. Portanto, o jejum é primordial!

Dependendo da cirurgia, para melhor acesso e técnica do cirurgião, é possível ocorrer uma intubação nasotraqueal que se trata de uma técnica um pouco mais elaborada. Ela pode causar algum desconforto no pós-operatório, mas garantem uma segurança ao cirurgião. Isso pode acontecer em especial nas cirurgias bucomaxilofaciais, nas de nariz e garganta (otorrinolaringologia).

Lembre-se

Toda cirurgia leva a um desconforto, dependendo do tipo de cirurgia e do trauma cirúrgico. A farmacologia para o tratamento da dor pós-operatória é extensa, mas o limite fisiológico deve ser respeitado, porque todas as cirurgias levam a uma depressão respiratória, inclusive quando o paciente estiver na unidade de internação (quarto), sem a monitorização adequada do ambiente cirúrgico.

Resumindo…

A anestesia realizada em ambiente hospitalar é muito segura. Hoje todos os hospitais, por lei, precisam ter uma monitorização básica que garantam a segurança dos pacientes.

Paciente responsável e bem avaliado clinicamente dificilmente correrá riscos, porém, medicina não é uma ciência exata e cada paciente reage de uma forma diferente.

Faça sempre o ambulatório pré-anestésico.

Recomendamos você a sempre buscar bons profissionais para realizarem um diagnóstico correto e cuidar muito bem de sua saúde.

Nos acompanhe também no Instagram e página no Facebook.

Dr. Oswaldo Cavallari
Médico Anestesiologista
CRM/SP: 56475

2 opiniões sobre “Você sabe como funciona a anestesia?

  • janeiro 24, 2019 em 12:47 pm
    Permalink

    Dr. Oswaldo Cavallari é chefe de equipe de anestesiologia do Hospital Alvorada e trabalhamos diariamente juntos.

    Excelente profissional com uma equipe que preza pela segurança e qualidade de atendimento aos pacientes que irão se submeter à procedimentos anestésicos. E isso faz toda a diferença !

    Dr. Luciano Del Santo

    Resposta
    • janeiro 25, 2019 em 7:06 pm
      Permalink

      Essa tríade (Cirurgião Buco Maxilo, Cirurgiões em geral), Anestesiologistas e pacientes bem preparados) é fundamental para o sucesso de qualquer procedimento cirúrgico-anestésico.
      Parabéns Luciano pela estrutura.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *