Afinal, como é o tratamento da apneia obstrutiva do sono?

O momento de dormir deve ser reconfortante para que possamos descansar e recarregar as energias. No entanto, quem sofre com a síndrome da apneia obstrutiva do sono fica com a respiração comprometida, ronca muito e não relaxa, o que pode levar a dores de cabeça pela manhã, irritação e sonolência durante o dia.

As consequências desse quadro podem ir além, pois o distúrbio é considerado um fator de risco para arritmia cardíaca, hipertensão arterial, insuficiência cardíaca, diabetes tipo 2, infarto e AVC.

A boa notícia é que há alguns tratamentos para a apneia obstrutiva do sono. Confira nosso post e entenda melhor as indicações de cada um!

Mudança de hábitos

É importante destacar que o tratamento para apneia obstrutiva do sono é multidisciplinar. Por isso, é necessário conhecer a causa do problema a fim de que o paciente receba a melhor orientação. Em casos de obesidade, o tratamento pode ser perda de peso e reeducação alimentar, por exemplo.

A indicação pode ser também parar de fumar, evitar o consumo de bebidas alcoólicas ou até alterar a posição na hora de dormir. Dessa maneira, em apneias mais leves, a recomendação pode ser a mudança de hábito com a ajuda de médicos, dentistas, nutricionistas, psicólogos e outros profissionais.

Máscara Nasal com Pressão Positiva (CPAP)

Nos casos moderados a severos da apneia obstrutiva do sono, o tratamento é feito com o CPAP (sigla para Continuous Positive Airway Pressure), uma máscara de pressão positiva contínua nas vias aéreas.

O equipamento é, na verdade, um gerador de ar, que mantém a via respiratória aberta durante o sono. A questão é que a pessoa precisa dormir com essa máscara, o que pode trazer um incômodo para muitos pacientes.

Aparelhos intraorais

Há ainda a possibilidade de fazer o tratamento para casos leves no consultório do dentista com o uso de aparelho intraoral (AIO). Esse é um dispositivo feito de silicone, que age como um reposicionador anterior da mandíbula.

O aparelho é utilizado durante o sono e promove um avanço da posição mandibular e/ou da língua, o que aumenta o espaço de fluxo de ar, melhorando assim a respiração. Pode ser eficaz, inclusive, para acabar com o ronco.

Cirurgia ortognática

Para quem sofre com a apneia obstrutiva do sono devido a problemas anatômicos, a indicação é a cirurgia ortognática — realizada pelo cirurgião bucomaxilofacial — em ambiente hospitalar e com anestesia geral.

O objetivo do procedimento, que envolve uma equipe multidisciplinar no pós-operatório, é o reposicionamento dos ossos maxilares, levando a uma correção funcional e trazendo melhorias para a parte respiratória. A correção cirúrgica, realizada após um planejamento virtual, pode ser feita na mandíbula ou na maxila ou ainda em ambos, dependendo de cada caso.

Muita gente fica preocupada se a cirurgia vai deixar marcas, mas saiba que as incisões são feitas por dentro da boca e, portanto, as cicatrizes não aparecem. Após o tratamento, a pessoa passa a dormir melhor e tem qualidade de vida. Há ainda ganhos com a harmonização facial e melhora da autoestima.

Outros procedimentos cirúrgicos

Dependendo da causa da apneia obstrutiva do sono, é feita a indicação de outros procedimentos cirúrgicos, como:

  • septoplastia — correção do desvio do septo, permitindo que o paciente passe a respirar melhor;
  • retirada das amígdalas e da adenoide — para aumentar a abertura de passagem de ar, evitando as pausas respiratórias noturnas;
  • uvulopalatofaringoplastia — faz a redução, remoção ou remodelamento de partes do palato mole e da úvula. Pode ainda envolver a remoção de uma parte do tecido mole a partir das áreas da faringe;
  • glossectomia ou avanço da língua — procedimento para mover ou puxar a língua para a frente, melhorando a passagem de ar.

Como visto, é possível corrigir a apneia obstrutiva do sono, um distúrbio que atrapalha o dia a dia e pode levar a sérios problemas de saúde. O ideal, principalmente nos tratamentos cirúrgicos, é procurar clínicas multidisciplinares de referência.

Gostou das informações que trouxemos neste post? Compartilhe com seus amigos das redes sociais para que eles também fiquem por dentro das opções de tratamento para esse distúrbio do sono.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *