Tire suas principais dúvidas sobre a cirurgia ortognática!

Durante o desenvolvimento do nosso corpo, podem acontecer problemas que levam a um crescimento irregular da estrutura óssea da face. Também existem situações em que as alterações se manifestam após traumas e acidentes. Para esses e outros casos podemos recorrer ao tratamento com a cirurgia ortognática.

Esse procedimento passou por muitas mudanças e, devido às inovações que surgiram, hoje trata-se de uma técnica segura, oferecendo bem menos riscos. Além disso, o pós-operatório ficou muito mais tranquilo e o paciente se recupera de uma maneira bastante confortável.

Como esse assunto ainda desperta dúvidas e inseguranças, preparamos este artigo trazendo alguns esclarecimentos sobre a cirurgia ortognática. Continue lendo para saber quais são as suas indicações, como ela é realizada, se apresenta algum risco e de que maneira ajuda a elevar a qualidade de vida dos pacientes.

O que são as anomalias dentofaciais?

Embora cada pessoa apresente características únicas, o ideal é que a anatomia seja baseada em um determinado padrão. Isso é importante para garantir o bom funcionamento de todo o organismo, o que também inclui a face.

Cada parte do nosso corpo precisa se desenvolver da maneira correta para que se encaixe em outra, promovendo equilíbrio entre elas. Dessa forma, nenhuma função é prejudicada e não existe a sobrecarga ou esforço excessivo de qualquer tecido ou órgão.

Entretanto, não são raros os casos em que acontecem problemas durante o crescimento. Eles também podem ser percebidos na face, afetando os ossos e a musculatura responsáveis pela movimentação da boca.

Essas anomalias ou deformidades interferem na mastigação, na deglutição, na fala e na respiração. Também podem afetar o posicionamento dos dentes, agravando suas consequências, além de aumentar a suscetibilidade ao desenvolvimento de problemas bucais.

Em muitos casos, tais anomalias se classificam como condições congênitas, ou seja, que acompanham o indivíduo desde o nascimento. Podem ser de origem hereditária ou uma característica inerente da pessoa, mas há situações em que as alterações ósseas ocorrem por causa de traumas e acidentes.

Não existe somente um tipo de deformidade que afeta a região buco-maxilo-facial — boca, maxilares e face. São diversas condições que interferem tanto na funcionalidade dessas estruturas quanto na estética do indivíduo. A seguir listamos alguns exemplos delas.

Má oclusão

O prognatismo e o retrognatismo se classificam como tipos de má oclusão porque impedem que as arcadas se encaixem adequadamente. Mas também ocorrem outras anomalias, como a mordida aberta, cruzada ou profunda. Há casos em que elas são o resultado de desalinhamentos dentários, porém, podem estar relacionadas com a posição dos ossos.

Prognatismo

Essa alteração pode afetar o maxilar superior e/ou inferior. Quando essa alteração de posicionamento ocorre no maxilar superior, o indivíduo aparenta ter um “afundamento” na região ao lado do nariz, juntamente com a projeção inadequada da ponta do nariz. Quando ocorre em mandíbula, ocorre uma projeção excessiva do queixo, tendo uma face com um perfil côncavo.

Retrognatismo

Assim como o problema anterior, pode afetar a maxila e/ou mandíbula, mas, nesse caso, se percebe uma projeção exagerada da maxila ou um recuo da estrutura óssea mandibular em função do seu desenvolvimento insuficiente. Então, o indivíduo aparenta ter o queixo muito pequeno com um perfil facial convexo.

Assimetrias

Essas alterações acontecem quando ocorre um crescimento diferente das estruturas bucais e faciais. Existem casos, por exemplo, de desencontro da linha mediana, criando a impressão de que o rosto está torto para um lado. As assimetrias podem afetar tanto os maxilares quando o queixo, as maçãs do rosto e até mesmo o nariz.

A cirurgia ortognática é indicada para essas e outras alterações em que existe a necessidade de fazer uma intervenção na estrutura óssea do paciente. O objetivo é alcançar uma maior simetria dessas estruturas para que se encaixem com perfeição, favorecendo o seu funcionamento.

Como a cirurgia ortognática corrige essas anomalias?

A técnica aplicada na cirurgia ortognática consiste em realizar intervenções que permitam posicionar os ossos da face da melhor maneira possível. O intuito é fazer com que eles tenham um melhor encaixe, alcançando uma anatomia mais próxima possível da ideal.

Para isso, o cirurgião bucomaxilofacial trabalha os ossos por meio de cortes controlados, realizados com instrumentos específicos de precisão. Os ossos são reposicionados e fixados com parafusos e placas de titânio.

A escolha desse material se dá pelo fato de ser um metal biocompatível. Isso significa que o organismo não o entende como sendo um corpo estranho, desse modo, a cicatrização óssea não é prejudicada e não existe o risco de rejeição.

É válido lembrar que a cirurgia ortognática não é feita como um procedimento isolado. Na verdade, é preciso que o paciente seja acompanhado por uma equipe multidisciplinar para alcançar os resultados esperados.

Existe, portanto, uma interação entre ortodontia, fisioterapia, nutrição, fonoaudiologia e o cirurgião bucomaxilofacial. Todas essas especialidades são essenciais para que o paciente consiga adequar suas funções dentofaciais à nova anatomia. Veja a seguir a importância de cada um desses profissionais na correção dos problemas e na recuperação do paciente.

O ortodontista

Na maioria dos casos, atua antes da cirurgia para corrigir problemas dentários e favorecer os resultados do procedimento. Também faz o acompanhamento posterior, a fim de fazer os ajustes finais na posição dos dentes e na mordida.

O fisioterapeuta

Tem um papel essencial durante a fase de recuperação do paciente, uma vez que ele precisará recobrar gradativamente os movimentos para se adaptar à nova posição dos ossos. As sessões de fisioterapia contribuem com o reaprendizado das dinâmicas e minimizam possíveis desconfortos e sequelas no pós-operatório

O nutricionista

Esse profissional acompanha o paciente no pré-operatório e no pós-operatório da cirurgia ortognática, indicando o melhor tipo de alimentação nessa fase. Afinal, será preciso fazer adequações no cardápio para não prejudicar a recuperação e, ao mesmo tempo, garantir ao organismo os nutrientes necessários.

O fonoaudiólogo

Como a cirurgia trabalha toda a estrutura facial, o paciente pode ter dificuldade para realizar movimentos ao falar, engolir e fechar os lábios. O fonoaudiólogo ajuda a minimizar desconfortos, acelerar a recuperação e reorganizar a musculatura para corrigir possíveis funções inadequadas.

Sendo assim, as anomalias dentofaciais de fato são corrigidas pela cirurgia ortognática no que se refere ao reposicionamento dos ossos, mas o suporte de todos esses profissionais é essencial para assegurar o sucesso do procedimento.

Quais são as indicações para a operação?

A indicação da cirurgia ortognática tem um caráter principalmente funcional. Ou seja, o objetivo central é oferecer tratamento a pacientes que apresentam problemas no desenvolvimento dos ossos da face ou que desenvolveram sequelas em função de acidentes.

Apesar disso, ela também traz impactos positivos para a estética do indivíduo. Afinal, quando os ossos são devidamente posicionados e a face assume contornos mais harmônicos e simétricos, a aparência se torna mais agradável, o que impacta, também, a autoestima do paciente.

Diversos problemas podem ser corrigidos por meio da cirurgia ortognática. Algumas situações em que ela se mostra um tratamento eficaz são:

  • alterações na mordida que não podem ser corrigidas com aparelhos ortodônticos;
  • distúrbios na fala, na respiração e na mastigação;
  • como terapia complementar para dores articulares e orofaciais;
  • desarmonias estéticas na face e no sorriso;
  • má formações e problemas no desenvolvimento ósseo;
  • disfunções da articulação temporomandibular (DTM);
  • casos de ronco e apneia.

Perceba que a cirurgia ortognática também é eficaz para tratar distúrbios do sono. Isso acontece porque, ao reposicionar os ossos, ela melhora a respiração, favorecendo a passagem do ar pelas vias aéreas superiores.

Como a cirurgia ortognática é realizada?

Para realizar a cirurgia ortognática, o paciente precisa antes ser devidamente examinado por um cirurgião bucomaxilofacial, a fim de analisar suas necessidades, fazer exames e realizar o planejamento do procedimento e seus resultados.

O processo se inicia com um estudo muito detalhado do caso para observar como ocorrem as movimentações da face do paciente em diferentes situações. Essas informações são associadas aos exames, moldes e imagens capturados da cavidade oral do paciente.

Todo esse material é transferido para um software de computador para se fazer o planejamento virtual da cirurgia ortognática. Ele possibilita ao profissional definir quais intervenções devem ser feitas e os locais mais adequados para isso.

O intuito é definir com maior precisão a melhor posição dos maxilares para alcançar resultados funcionais e estéticos adequados, promovendo maior segurança, previsibilidade, reduzindo tempo cirúrgico e minimizando possíveis riscos e sequelas.

As novas tecnologias permitem fazer a impressão de guias cirúrgicos por meio de impressoras 3D. Desse modo, o profissional tem um suporte para atuar com precisão de décimos de milímetros, podendo, assim, fazer intervenções exatas, preservando os demais tecidos.

O procedimento

Uma vez que tenha sido feito todo o estudo do caso e o planejamento virtual da cirurgia, ela é agendada e o paciente recebe recomendações para o preparo pré-operatório. O procedimento é realizado em centro cirúrgico, utilizando anestesia geral.

Não é necessário fazer incisões no rosto, porque todas as intervenções são realizadas através da cavidade oral. Se for preciso, em alguns casos é realizada uma pequena incisão na lateral da face à altura da mandíbula, que não deixa cicatrizes por ser muito discreta.

Depois de finalizada a cirurgia, cujo tempo varia de 2 a 5 horas dependendo de cada caso, o paciente é encaminhado para a sala de recuperação anestésica até que esteja pronto para ser transferido para o seu quarto. Ali ele permanece internado sob supervisão por 24 ou 48 horas.

Atualmente, não é mais necessário realizar o bloqueio da boca, então, assim que retorna da anestesia, o paciente consegue respirar e se comunicar normalmente. Porém, ele ainda precisará de alguns cuidados especiais para garantir uma boa recuperação.

Como é o pós-operatório?

A utilização de novos instrumentos e tecnologia, como a serra ultrassônica, permite trabalhar somente o osso sem afetar os tecidos moles, preservando terminações nervosas e gengiva, por exemplo. Por isso, o procedimento se tornou muito mais seguro e eficaz, favorecendo também o pós-operatório.

Embora a rotina hospitalar pós-operatória não inclua mais o bloqueio da boca, o paciente precisará de um acompanhamento nutricional, visto que, no primeiro mês, é recomendado manter uma dieta pastosa ou líquida. O intuito é evitar esforços mastigatórios para não prejudicar e aceleraer a recuperação dos tecidos.

No prazo de 15 a 30 dias, o paciente já pode retornar para algumas de suas atividades sociais. Porém, são necessários cerca de 3 meses para se envolver novamente com todas as suas atividades físicas regulares.

O inchaço na face, ou edema, é uma reação já esperada da cirurgia ortognática. Durante os 5 primeiros dias após o procedimento, ele atinge o seu ponto máximo. A regressão ocorre em cerca de 20 dias, no entanto, em alguns casos é possível perceber algumas alterações nos tecidos moles somente após meses da cirurgia.

É fundamental seguir todas as recomendações do especialista no que se refere à alimentação, consultas de retorno e sessões de fisioterapia e fonoaudiologia, além do acompanhamento nutricional. Também é muito importante realizar a higienização bucal corretamente, bem como administrar os medicamentos conforme a prescrição do profissional.

Quais são os riscos da cirurgia?

Como qualquer outro procedimento desse porte, a cirurgia ortognática apresenta possíveis riscos. Esse é o caso da formação de hematomas na pele da face, além do já citado inchaço. Mas ambos costumam regredir em poucos dias.

Alguns pacientes podem manifestar, também, dormência nos lábios, na região abaixo dos olhos e na área do queixo. Essas reações demoram um pouco mais para regredir, podendo durar alguns meses ou até mesmo anos.

Outro possível risco é o enrijecimento da musculatura responsável pelos movimentos da mandíbula e as expressões faciais. Como consequência, ocorre uma alteração da expressão do paciente e limitações na amplitude da movimentação mandibular.

Daí a importância de realizar a cirurgia ortognática em uma clínica especializada nesse procedimento. É fundamental contar com uma equipe multidisciplinar de profissionais bem qualificados e experientes, como aqueles que trabalham com o Dr. Luciano Del Santo, referência em cirurgia ortognática em São Paulo.

O Dr. Luciano é o coordenador dos cirurgiões bucomaxilofaciais que atuam na Neo Face, juntamente com todos os demais especialistas que precisam acompanhar os pacientes submetidos à cirurgia ortognática. Aqui você encontra toda a estrutura necessária para realizar um tratamento seguro e completo, com excelentes resultados funcionais e estéticos, preservando sua saúde e sua qualidade de vida.

Por isso, entre em contato conosco para conversar com a nossa equipe, saber mais detalhes sobre esse procedimento e conhecer as nossas instalações!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *