Cirurgiões bucomaxilofacial fazem campanha pela utilização adequada de capacetes

O Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia BucoMaxiloFacial lança uma campanha de orientação ao uso adequado de capacetes para evitar as lesões na face, tão comuns em uma queda de moto ou batidas. A utilização do acessório para condutores e passageiros é obrigatória por força de lei, mas a legislação não determina qual é o capacete ideal.

O uso adequado do acessório diminui em 72% o risco e a gravidade de lesões, reduz a probabilidade de mortes em até 39% e os custos com tratamento associado a colisão. No Brasil, cerca de 10 mil motociclistas morrem todos os anos em acidentes no trânsito e 500 mil pessoas sofrem ferimentos, muitos deles na face, pela utilização inadequada de capacetes. Segundo estudo da Santa Casa de São Paulo, cair de um moto a 72 km por hora corresponde à queda do sexto andar de um prédio.

Para o Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia BucoMaxiloFacial existe apenas um único modelo que evita impactos no maxilar, boca, nariz e face. “O ‘Full Face’ cobre completamente a cabeça até o queixo, com uma viseira transparente que abre e fecha e é o mais indicado para quem anda em duas rodas”, orienta o presidente do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia BucoMaxiloFacial, Nicolas Homsi.

Os demais modelos deixam o motociclista vulnerável e podem provocar traumas sérios e até irreversíveis, em caso de acidente. “Os modelos ‘Coquinho’, que cobre apenas a parte superior da cabeça com material rígido e ‘Peruzinho’, que protege as partes superior e inferior da cabeça, deixam o queixo e toda a face extremamente expostas”, explica o diretor do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia BucoMaxiloFacial, Luciano Del Santo.

Já o ‘Escamoteável’, que cobre toda a cabeça, tem um dispositivo que permite ao motociclista subir a proteção do queixo, deixando a face exposta da mesma forma que o modelo ‘Peruzinho’. “Em dias mais quentes é comum os motociclistas elevarem a proteção e ficarem mais vulneráveis”, alerta Del Santo.

É importante ficar atento ao selo do INMETRO que faz testes de impacto nos modelos e depois de aprovados recebem a certificação. No site do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia BucoMaxiloFacial, que é www.bucomaxilo.org.br, é possível obter mais informações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *