Além de prevenir e tratar doenças bucais, a odontologia tem foco na estética dental, ou seja, do sorriso. Houve algumas inovações, a implementação de técnicas e o aprimoramento de procedimentos que visam alterar características ou corrigir imperfeições que afetam a aparência.

Assim, problemas como manchas, desalinhamentos, assimetrias e outros são solucionados, proporcionando ao indivíduo maior satisfação com sua imagem. Esses tratamentos podem ser realizados por dentistas que tenham se especializado nessa área ou em determinadas técnicas.

Aliás, neste artigo listamos aquelas que são as mais populares, explicando como funcionam, os resultados que promovem e outros detalhes. Por isso, continue lendo e confira alternativas para valorizar ainda mais a sua aparência!

1. Clareamento dental

O clareamento dental é um tratamento que se popularizou significativamente nos últimos anos. O objetivo é tornar a tonalidade dos dentes mais clara, eliminando as manchas e o acúmulo de pigmentos que causam o amarelamento ou o escurecimento do dente.

É muito importante entender que a técnica de clareamento dental não deixa os dentes necessariamente brancos. Isso porque nossos dentes tem translucidez, ou seja, não são opacos como um “branco parede”.

Temos o esmalte como camada mais externa, e essa camada permite a passagem de luz através dos dentes, como um vidro. Dessa forma, dentes brancos opacos são conseguidos somente com a instalação de laminados ou coroas em porcelana.

Existem diversas tonalidades genéticas para o esmalte dentário humano, que pode ser amarelado, acinzentado, acastanhado e até mesmo avermelhado. O clareamento permite que se alcance um tom mais claro de acordo com a cor natural dos dentes.

Assim, se eles forem amarelados, não ficarão brancos, mas terão esse tom amenizado até o limite seguro para a saúde da dentição. Quem tem o esmalte na cor branca conseguirá um resultado bem branquinho. O componente genético também interfere no resultado final. 

Existem técnicas diferentes de clareamento dental. A seguir falamos sobre elas.

Clareamento de consultório

É realizado no consultório do dentista em sessões — de 1 a 4 — com intervalo de tempo de cerca de uma semana entre elas. O profissional inicia o procedimento protegendo as gengivas com um produto específico (barreira gengival) e aplicando outro produto no esmalte dentário para evitar a sensibilidade (dessensibilizante à base de flúor).

Em seguida, ele aplica o gel clareador à base de peróxido de hidrogênio ou de carbamida. Pode deixar o produto agir sozinho — clareamento convencional —, bem como aplicar laser ou luz de LED para acelerar o tempo de espera de ação do gel.

Essa técnica promove resultados que podem ser vistos na primeira sessão. Porém, a associação do clareamento de consultório com o clareamento caseiro é a mais eficaz em termos de resultado final e longevidade do tratamento. 

Clareamento caseiro

É feito em casa, mas com supervisão do dentista. Ele confecciona uma moldeira de silicone para o paciente e dá instruções sobre como aplicar o gel clareador. A pessoa faz o procedimento sozinha, geralmente no decorrer da noite ou durante uma hora ao dia, dependendo do produto utilizado.

Os resultados podem demorar um pouco para serem observados, porém, a literatura mostra que os efeitos são mais duradouros em comparação com o uso apenas da técnica de consultório. Por isso, na maioria das vezes, as duas são associadas.

Clareamento interno

As duas técnicas que citamos são indicadas para clarear todos os dentes da arcada dentária, mas no caso do clareamento interno, é recomendado quando se precisa trabalhar um dente que tenha recebido tratamento de canal. Nessa técnica o produto é aplicado na parte interna do dente por meio de um orifício feito pelo dentista.

O orifício é fechado e o paciente volta para casa deixando o produto agir. Em outra sessão ele é removido e o dente é restaurado. Desse modo, conseguimos alterar a tonalidade dele sem mexer nos demais dentes.

O clareamento interno, entretanto, pode desencadear uma reabsorção na raiz do dente. Por isso, a necessidade dessa técnica deve ser muito bem avaliada por um especialista. Uma alternativa para dentes escurecidos em função de um tratamento de canal são os laminados, ou coroas, em porcelana.

Todos os clareamento que mencionamos aqui, com exceção do clareamento interno, não são invasivos, não precisam de anestesia e requerem apenas alguns cuidados durante o tratamento no que se refere à alimentação.

O ideal é evitar bebidas e alimentos pigmentados para não manchar os dentes, especialmente nas 3 primeiras horas após a remoção do gel, bem como visitar regularmente o dentista para acompanhamento e manutenção.

2. Facetas de porcelana

As facetas de porcelana são lâminas muito finas, cujo formato acompanha o do preparo do dente para que se encaixe com perfeição sobre ele. Sendo assim, podemos dizer que elas são parecidas com um tipo de capa.

O intuito da aplicação das facetas de porcelana é alterar algumas características dos dentes, como tonalidade, tamanho e formato para conferir melhor estética dental. Elas são confeccionadas especificamente para cada paciente, de acordo com os resultados que ele deseja para a imagem do seu sorriso.

Desalinhamentos mais discretos e espaços entre os dentes também podem ser corrigidos com as facetas de porcelana. É válido ressaltar que esse tratamento é definitivo, uma vez que, em muitos casos, é preciso fazer um desgaste no esmalte e até mesmo na dentina, que é a camada mais interna ao esmalte, para que elas se encaixem com perfeição. Se houver dano a uma faceta, ela deve ser substituída por outra.

Colocar facetas não causa dor nem provoca incômodos, e os possíveis desgastes são seguros e também indolores, mas requerem anestesia local. Não existe nenhum tipo de cuidado pós-operatório, apenas aqueles comuns que já temos com os dentes naturais, para evitar danos ao material e manter a saúde bucal.

3. Lentes de contato dental

As lentes de contato dental são muito parecidas com as facetas e, muitas vezes, até mesmo confundidas com elas. Funcionam da mesma forma, mas a diferença está no fato de que as lentes são mais finas, com cerca de 0,2 a 0,5 milímetros, enquanto as facetas podem chegar a até 1 mm ou mais.

Visto que as lentes de contatos são mais finas, apresentam indicações diferentes. Elas promovem alterações principalmente no formato e na tonalidade dos dentes, não corrigindo imperfeições como desalinhamentos severos. Não são indicadas para problemas mais expressivos.

Nem sempre é preciso fazer desgaste no esmalte para colar as lentes de contato, já que elas não fazem um grande volume na dentição. São indicadas em especial para quem já tem o sorriso alinhado, mas quer alterar outras características e valorizá-lo ainda mais.

4. Harmonização orofacial

A harmonização orofacial não é um tratamento, mas sim um conjunto de técnicas e procedimentos que visam harmonizar a face do indivíduo, suavizando rugas e vincos, e prevenindo o envelhecimento precoce. O intuito é alcançar uma maior simetria de toda a face com a região da boca para obter uma melhor estética dental e facial.

Nesse caso, os tratamentos complementam aqueles feitos nos dentes. Ou seja, uma pessoa que realizou um clareamento, por exemplo, pode ter um destaque maior nos resultados se fizer a correção de problemas da face, como rugas ao redor da boca, flacidez e assimetrias.

Instagram Neo Face

Para definir qual é o melhor tratamento e onde as intervenções devem ser feitas, o profissional realiza antes um planejamento. Assim ele consegue analisar as características e necessidades do paciente e estudar o que pode ser feito para alcançar os resultados desejados, com naturalidade e segurança.

A seguir apresentaremos alguns procedimentos de harmonização orofacial.

Aplicação de botox

O botox — toxina botulínica — também pode ser aplicado por dentistas, desde que eles estejam devidamente capacitados para isso. Tem como objetivo amenizar rugas e linhas de expressão, tratar o sorriso gengival e promover mais simetria para os músculos da face.

A substância é aplicada na musculatura por meio de seringas de insulina em pontos estratégicos do rosto. Com o passar do tempo, ela é absorvida pelo organismo e perde seu efeito, havendo necessidade de fazer uma nova aplicação, após cerca de 4 a 6 meses.

Preenchimento facial e labial

Nessa técnica são injetadas na face, em regiões previamente estudadas, substâncias biocompatíveis, como o ácido hialurônico. O intuito é preencher rugas e linhas de expressão ou aumentar o volume dos lábios, por exemplo.

Essas substâncias volumizam as camadas da pele e a hidratam profundamente, corrigindo imperfeições e promovendo rejuvenescimento e simetria. Assim como o botox, seu efeito é passageiro e uma nova aplicação deve ser feita após alguns meses, tempo que varia para cada paciente — de 8 a 18 meses de acordo com o produto utilizado.

Fios de sustentação

Os fios de sustentação são confeccionados com material biocompatível que, quando em contato com o organismo, estimula a produção de colágeno. Eles são posicionados na região subcutânea por meio de agulhas e cânulas. Sua estrutura ajuda a promover uma tração da pele, corrigindo rugas, linhas de expressão, flacidez e assimetrias.

Assim como acontece com o botox e o ácido hialurônico, também são absorvidos pelo organismo em aproximadamente 3 meses. Porém, seus efeitos permanecem por 1 ano a 1 ano e meio. Depois desse tempo, é necessário refazer o tratamento periodicamente para que os resultados sejam mantidos.

5. Restauração

A restauração é um tratamento que consiste em recuperar a estrutura do dente quando ela tiver sofrido algum dano, como no caso de uma fratura de menor gravidade. Também pode ser uma alternativa para quem apresenta assimetrias no formato ou no tamanho dos dentes.

Além disso, essa técnica é empregada para tratar dentes cariados. Eles passam por uma limpeza que remove o tecido comprometido e as bactérias e, em seguida, é feita a sua reconstrução com material restaurador — geralmente, resina. A restauração pode ser feita de forma direta ou indireta.

Restauração direta

Na restauração direta, a resina é aplicada diretamente sobre o dente. O dentista acrescenta o material no esmalte, na dentina ou em ambos, faz a escultura e desgasta as partes que estejam em excesso para assegurar uma boa altura da mordida. Como finalização, faz o polimento para conferir melhor estética e homogeneizar a superfície.

Restauração indireta

A restauração indireta é indicada para pacientes que perderam mais de 50% da estrutura do dente. Esse é o caso de quem teve uma fratura mais grave ou uma cárie muito extensa. Para essas e outras situações o dentista pode recomendar o uso de onlays ou coroas.

Essas peças são confeccionadas por um laboratório de prótese ou por meio de uma impressora 3D. Quando ficam prontas, o dentista prepara o dente que será restaurado e cola essa peça sobre ele. Assim, é feita a recomposição da sua estrutura. São comumente utilizadas a resina e a porcelana.

6. Gengivoplastia

Sabia que nem sempre o problema de estética dental está de fato na dentição? Existem casos em que os prejuízos para a aparência do sorriso estão relacionados com a gengiva. É isso que vemos em pessoas que apresentam o sorriso gengival.

Quando elas sorriem há uma superexposição da gengiva, o que prejudica o aspecto dos dentes. Esse problema pode acontecer por causa do excesso de tecido gengival, que é solucionado por meio da gengivoplastia.

Trata-se de uma cirurgia plástica que tem o intuito de remover o excesso de gengiva que está recobrindo os dentes. Por meio dela também podemos modelar as bordas gengivais para que elas acompanhem o formato da dentição e fiquem totalmente simétricas.

A gengivoplastia é uma técnica um pouco mais invasiva, por isso, o paciente precisa receber anestesia local para não sentir dores nem incômodos durante o procedimento. Apesar disso, é uma técnica segura e muito rápida, que dura cerca de 30 minutos a 1 hora, dependendo da complexidade do caso.

Além disso, o tratamento é feito no próprio consultório do dentista e não há necessidade de internação, sendo assim, não existe uma rotina hospitalar pós-operatória. Entretanto, é claro que serão necessários alguns cuidados para garantir a boa cicatrização dos tecidos e evitar possíveis inflamações ou infecções no local operado.

Mesmo assim, o procedimento é muito tranquilo e a recuperação é rápida, uma vez que essa mucosa se regenera com grande facilidade. Desse modo, seguindo as orientações do dentista quanto à alimentação, à higienização e à possível aplicação de medicamentos, tudo ocorre sem problemas.

7. Tratamentos ortodônticos

Os tratamentos ortodônticos também estão inclusos nos procedimentos oferecidos para alcançar uma melhor estética dental. Eles são realizados por um dentista especializado em ortodontia e requerem o uso de aparelhos para corrigir a posição dos dentes.

Esse tipo de tratamento é recomendado para diferentes casos, com diversas gravidades. É possível, por exemplo, corrigir um diastema discreto — espaço entre os dentes — ou um ligeiro desalinhamento. Mas também podemos tratar apinhamentos severos, alterações na mordida e falta de espaço em decorrência do tamanho do osso.

Uma grande vantagem do tratamento ortodôntico é que ele pode ser realizado por pessoas de todas as idades. Inclusive, é possível submeter crianças à ortodontia preventiva com o intuito de guiar o desenvolvimento ósseo e o nascimento dos dentes, para evitar intervenções mais complexas no futuro.

Existem diferentes tipos de aparelho ortodôntico que podem ser utilizados para promover o alinhamento da dentição. Além daqueles metálicos convencionais, hoje está à disposição dos pacientes modelos estéticos como:

  • aparelho de policarbonato;
  • aparelho de porcelana;
  • aparelho de safira, etc.

Mas, para quem deseja fazer um tratamento ainda mais discreto, pode optar pelos alinhadores invisíveis. Eles também são aparelhos ortodônticos, porém, não apresentam bráquetes, arcos ou fios como os modelos fixos.

Na verdade, sua estrutura é semelhante à moldeira utilizada para clarear os dentes em casa. São feitos em material totalmente transparente, por isso, ficam imperceptíveis na boca. É uma excelente alternativa para quem deseja corrigir a posição dos dentes sem afetar a estética dental e a sua imagem de um modo geral.

É válido lembrar que o tratamento ortodôntico varia de pessoa para pessoa em função da gravidade do caso e das suas necessidades. Sendo assim, é preciso passar pela avaliação de um ortodontista para que ele verifique qual é o melhor tipo de aparelho.

Todos esses tratamentos de estética dental são excelentes alternativas para corrigir características que impactam negativamente a imagem. Entretanto, devem ser realizados por profissionais capacitados, pois envolvem também a sua saúde. Por isso, faça uma boa escolha para garantir segurança, qualidade no atendimento e excelentes resultados!

Gostou dessas dicas? Então acompanhe outros temas interessantes como esse em nossas redes sociais! Estamos no Facebook e no Instagram.

Agendar consulta Neo Face

3 thoughts on “Conheça os 7 procedimentos de estética dental mais populares”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *